Saturday, May 9, 2009

MARTIM MONIZ rumo a Cacilhas


Cacilheiro gigante MARTIM MONIZ fotografado na manhã de 7 de Maio de 2009, numa das suas travesias matinais do Cais do Sodré para Cacilhas.
Construído novo na Alemanha para a Transtejo, o MARTIM MONIZ fez a carreira do Barreiro até 2004, servindo agora a linha de Cacilhas como reforço da frota nas horas de ponta. É um belo navio de passageiros, mais espaçoso e confortável que os CACILHENSES, com os seus tombadilhos abertos à popa...
Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

2 comments:

rmvsantos said...

Pela sua performance (ele e o S. Jorge - mais antigo) eram capazes de realizar a viagem entre Barreiro de o Terreiro do Paço em 17 minutos.

Uma boa prova que coloca em questão a opção dos catamarãs, sabendo-se do comportamento dos ditos catamarãs no Mar da Palha em dias de vento "fresco" relativamente aos navios de casco simples.

Espera-se que os estaleiros da Amora realizem um bom trabalho na manutenção dos catamarãs (aluminios).

A

Rui

rmvsantos said...

No seguimento de comentário a post de outro blog do Luis, estes navios vieram "descongestionar" a travessia entre o Barreiro e o Terreiro do Paço.

Pela fraca fiabilidade do Tunes e Pinhal Novo, bem como pela reduzida capacidade de manobra na atracagem, estes navios prestaram bons serviços no Tejo (a ainda prestam).

Na verdade, operam apenas em hora de ponta, onde a cadência entre navios era de 10 minutos.

Dada a falta de capacidade de manobra do Tunes e Pinhal Novo, com tempo de acostagem (às vezes superiores a) de 10 minutos, agravado pelo facto de haver apenas um pontão operacional no Terreiro do Paço, o serviço complicava-se.

Por vezes era patente a frustação de quem viajava no Tunes e Pinhal Novo, onde devido a dificuldades de atracagem, o navio que saia do Barreiro com 10 minutos de diferença ou acostava ao mesmo tempo, ou então chegava mesmo a acostar primeiro.

De alguma violência nas manobras de acostagem (Tunes e Pinhal Novo, dizia-se que os mesmos "atracavam à base de ouvido".

Aliás, na ré destes navios são evidentes os sinais de algumas destas manobras "mais radicais".

A

Rui